Em Maceió (AL), o solo onde está localizada a mina que pode colapsar a qualquer momento e abrir uma cratera do tamanho do estádio do Maracanã continua cedendo, mas em ritmo lento. A Defesa Civil da cidade informou que chegou a 1,69 m o afundamento na área na última terça (28), quando começou o monitoramento devido ao risco de colapso, até este domingo (3).

A instabilidade no solo foi agravada por décadas de mineração feita pela empresa responsável pela mina e provocou a evacuação de mais de 14 mil imóveis em cinco bairros, afetando cerca de 60 mil pessoas. Somente um ano após o primeiro tremor de terra que abriu rachaduras em ruas e imóveis, em 2018, a empresa encerrou a extração de sal-gema, minério utilizado na fabricação de soda cáustica e PVC.

O Ministério de Minas e Energia afirmou que o afundamento do bairro de Mutange em Maceió está estabilizado e que, se houver desabamento, será “localizado”.

“Observa-se estabilização da situação, com redução do ritmo de subsidência do terreno e redução da probabilidade de deslocamentos de terra de larga escala”, informa em relatório divulgado neste domingo.

A pasta criou uma sala de situação para monitorar o risco de desabamento na capital de Alagoas, provocado pela exploração de sal-gema. Em reunião no sábado (2), técnicos do Serviço Geológico do Brasil (SGB) afirmam que o desmoronamento pode ocorrer “de forma localizada e não generalizada”, com baixo risco de contaminação da lagoa Mundaú.

Segundo o ministério, nas últimas 24 horas, a velocidade de descolamento do solo se reduziu. Foram 50 centímetros na quarta (29) e outros 50 centímetros na quinta (30), contra 15 centímetros no sábado (2).

“Uma avaliação para a área demonstra que o sistema geológico está entrando em equilíbrio”, diz o relatório da sala de situação.

No entanto, a pasta frisa no documento deste domingo que ainda é necessário “continuar o ostensivo monitoramento da área como um todo”.

A região tem outras 34 minas de responsabilidade da Braskem. Na área da mina 18, que pode colapsar, o solo cede 0,7 cm/h. Nas últimas 24 horas, desde a manhã de sábado, até a manhã deste domingo, o deslocamento de terra foi de 10,8 cm.

A Defesa Civil da capital alagoana permanece em alerta máximo e diz que o colapso pode acontecer “a qualquer momento”.

Fonte: O Sul / Foto: Defesa Civil de Alagoas

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui