Na tarde de domingo, dia 17, o município de Sinimbu promoveu um torneio interno de Ping Pong, reunindo os atletas da modalidade esportiva que participam das atividades do projeto Sinimbu Mais Esporte e Inclusão. O torneio foi realizado na Escas e contou com a participação de atletas de várias idades.

Conforme o coordenador o projeto Sinimbu Mais Esporte e Inclusão, Lucas Hinterholz, o torneio, assim como o projeto, foi uma oportunidade, para muitos, única de praticar um esporte olímpico e não convencional na nossa região. “As disputas integraram crianças e idosos, inclusive portadores de alguma necessidade física e educacional especial. O que mais vale pra nós é ver a alegria de todos em competir e ser premiado pelo seu esforço”, destaca Lucas.

A competição foi acompanhada pelos professores Lúcio Lopes e Jackson Bender. Além do Ping Pong, as atividades do Sinimbu Mais Esporte e Inclusão incluem o Atletismo Infantil e Juvenil, Atletismo Inclusivo, Corrida de Rua com Funcional, Vôlei Masculino, Vôlei Feminino e o Basquete Masculino.

Os premiados

– Feminino master

1° lugar Janete Froemming

2° lugar Renati Bentlin

3° lugar Môni Wagner Martins

4° lugar Alice Dorfey

– Masculino

1° lugar Derli Reinicke

2° lugar Alisson Ludkte

3° lugar Rodrigo de Mello

4° lugar Vinícius Schwengber

– Feminino júnior

1° lugar Jaqueline Blanck

2° lugar Letícia dos Santos

Sobre o Sinimbu Mais Esporte e Inclusão

Por meio do edital nº 08/2018 da Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (hoje, Secretaria de Esporte e Lazer), 15 projetos de Pessoas Físicas receberam R$ 30 mil cada, totalizando R$ 450 mil. Entre os contemplados está o projeto de Sinimbu, inscrito pelo Assessor de Projetos da Secretaria de Educação, Cultura e Turismo de Sinimbu, Lucas Hinterholz.

Os projetos foram analisados pela Câmara Técnica do Pró-Esporte/RS e escolhidos entre 43 pré-selecionados dos 73 inscritos. O Fundo Estadual de Incentivo ao Esporte foi previsto por lei em 2012 e regulamentado por decreto em 2017, com projeção de orçamento para 2018 e 2019. O edital valorizou, com pontuação adicional, os projetos que envolvem atividades direcionadas a pessoas com deficiência, altas habilidades e/ou super dotação, fator que foi determinante no resultado.