Foto: Reprodução vídeo

A Defesa Civil de Santa Catarina confirmou, nesta quarta-feira (29), que a nuvem em forma de funil girando em alta velocidade, registrada em vídeo no município de Rio das Antas, e que circula nas redes sociais é, de fato, um tornado. É o sexto evento do tipo em novembro no Estado vizinho. Para o Rio Grande do Sul, especialistas projetam que há possibilidade de ocorrências deste fenômeno no verão, especialmente em dezembro.

Os três estados mais ao sul do país, junto de São Paulo, Triângulo Mineiro e Mato Grosso do Sul, formam o chamado Corredor de Tornados. Nesta área, o encontro de massas de ar frio da Patagônia com ventos tropicais formados na Amazônia ou massas de ar quente oriundas do Oceano Atlântico criariam condições propícias a fenômenos como esse. Argentina Bolívia, Paraguai e Uruguai também integram a região cunhada pelos meteorologistas.

Segundo o meteorologista da Climatempo Vinícius Lucyrio, o tornado é uma coluna de ar que gira de forma violenta e desce a solo como uma espiral.

— É assim caracterizado quando toca o chão e deixa rastros na vegetação e, até mesmo, destruição de construções, por exemplo. São nuvens que chamamos de supercélulas e apresentam uma rotação, como um ciclone menor ou mesociclone. Se for de menor intensidade, é chamado de tromba d’água. Tem a ver com o forte contraste térmico que acontece sobre a região — explica o especialista.

O avanço do ar frio vindo de regiões polares, encontrando ar quente originado interior do continente, favorece a formação de muitas nuvens carregadas, de acordo com o meteorologista. Com o El Niño, esses fluxos de ar quente ficam ainda mais intensos e aumentam as chances de eventos de tempo severo que, localmente, acabam gerando fenômenos extremos, como os tornados.

— Essas regiões (do Corredor de Tornado) tem um contraste técnico muito acentuado, principalmente na primavera. O risco maior é ainda no mês de dezembro, quando teremos algumas entradas de ar frio que se chocam com o ar quente na região Sul. A partir de janeiro, a possibilidade de tempo severo diminui — projeta Lucyrio.

Não são raros por aqui

O meteorologista do Centro de Pesquisas e Previsões Meteorológicas da Universidade Federal de Pelotas (CPPMet/UFPel), Henrique Repinaldo, lembra que os maiores relatos de tornado no Brasil ocorrem nas regiões oeste do RS e SC, que se assemelham geograficamente aos Estados Unidos, onde são registrados cerca de 1,2 mil tornados por ano.

— São regiões similares às planícies a leste das montanhas rochosas norte-americanas. No nosso continente, temos a Cordilheira dos Andes. Ali, uma corrente de jato de ar, um rio atmosférico, que canaliza a umidade desde a região Amazônica até o norte da Argentina. Uma região favorável a tornados — diz Repinaldo.

O contraste térmico das massas de ar, comum a dezembro, será “combustível” para uma eventual ocorrência de fenômenos como este de Santa Catarina desta semana, conforme o meteorologista da UFPel.

— Algumas tempestades podem se tornar casos de tornados. Parecem, mas não são raros. É que, muitas vezes, acontecem em zonas não povoadas, no campo, e não se registra. Por aqui, sempre ocorreram e continuarão ocorrendo — esclarece Repinaldo, lembrando do caso do município de Giruá, no noroeste gaúcho, que decretou situação de emergência depois do temporal que causou uma morte e mais de 50 feridos em 15 de novembro deste ano.

Fonte: GZH

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui