Primeira ginasta brasileira a ganhar uma medalha olímpica entre as mulheres, com a prata no individual geral há poucos dias, Rebeca Andrade repetiu a dose na manhã deste domingo, porém desta vez no alto do pódio. Ela superou americanas e russas, entre outras, e ganhou o ouro no salto dos Jogos Olímpicos de Tóquio, mudando o patamar da ginástica brasileira no mundo.

Rebeca teve nota média de 15.083, a única a superar os 15 mil pontos. A americana Mykayla Skinner ganhou medalha de prata, com 14.916. A sul-coreana Yeo Seoyong levou o bronze, com 14.733. Uma das candidatas ao ouro, a americana Jade Carey teve problemas em um dos saltos e ficou com uma nota baixa, 12.416, em oitavo lugar, o último da final.

“Não foi o meu melhor salto, mas foi o suficiente para ficar em primeiro lugar. Estou muito feliz, agora eu tenho duas!”, comemorou a campeã olímpica pouco após receber a medalha de ouro. “Não sei nem o que falar. Muito obrigada pela torcida, amanhã tem mais”, afirmou a ginasta, que competirá na final do solo às 5h57min desta segunda-feira. Ela tentará a sua terceira medalha em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos.

A ginasta de Guarulhos-SP superou lesões graves no joelho e cirurgias para conseguir a classificação a Tóquio-2020 e chegar ao maior momento de sua carreira nos Jogos Olímpicos. A última cirurgia, em 2019, obrigou-a a ficar oito meses parada. Mas o adiamento dos Jogos, devido à pandemia do coronavírus, lhe deu tempo para recuperar seu nível.

Em 2016, após a primeira operação, conquistou o ouro no salto na etapa do Mundial de Koper. Rebeca, que na Rio-2016 havia conseguido apenas a décima primeira colocação, continua surpreendendo em Tóquio, onde deu ao Brasil a segunda medalha de ouro, a décima no total até agora nos Jogos Olímpicos.

“Me senti firme mesmo fazendo as coisas e me diverti. Hoje eu estava muito feliz. Na classificatória eu estava muito feliz. No individual. E esta sensação que eu quero levar para amanhã. Independente do que aconteça, de resultado, eu vou estar feliz, porque eu fiz tudo o que podia”, vibrou Rebeca.

O Brasil estará representado em três finais individuais na manhã de segunda. Antes de Rebeca, às 5h, será a vez de Arthur Zanetti competir nas argolas, prova que ele venceu em 2012. Às 6h51min, Caio Castro disputa a final do salto masculino. Na terça, será a vez de Flávia Saraiva na trave.

Rebeca Andrade é apenas a quarta mulher brasileira campeã olímpica na história. Antes dela, venceram Maurren Maggi (2008), Sarah Menezes (2012) e Rafaela Silva (2016). E ela já está apenas uma medalha atrás da maior medalhista brasileira em esportes individuais, Mayra Aguiar, com três pódios em três edições diferentes dos Jogos.

Fonte: Correio do Povo

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui