Chris Fuscaldo e Marcelo Bortoloti em Porto Alegre. Foto: Reprodução

Viver é melhor que sonhar – Os últimos caminhos de Belchior é o livro escrito pelos jornalistas Chris Fuscaldo e Marcelo Bortoloti, que narra a trajetória de Antônio Carlos Gomes Moreira Belchior Fontenelle Fernandes, mais conhecido como Belchior. O cantor e compositor deixou um grande legado por seu lirismo livre e o impacto geracional de suas canções. Após quase quatro anos de sua morte, o artista ainda inspira uma legião de fãs.

Um grande exemplo da importância de Belchior para a música brasileira são os inúmeros livros que contam a vida do cantor. Bertoloti e Chris são dois autores que foram impactados pela arte de Belchior e assim como outros fãs, buscam entender o que se passava na mente inquieta do artista. Na obra assinada pela dupla, eles buscaram os motivos pelo qual Belchior se afastou de amigos, familiares e carreira, em meados de 2007, mergulhando em um exílio voluntário por cerca de uma década.

Os autores de Viver é melhor que sonhar – Os últimos caminhos de Belchior, cederam uma entrevista para o Programa Conexão Regional da Rádio Santa Cruz, onde contaram que percorreram alguns dos locais onde Belchior esteve. No bate-papo com o jornalista Dogival Duarte, os autores revelaram os motivos e como foi o processo de criação do livro. “Acho que ele tem muita história para contar, muita coisa para ser dita, por isso escrevermos em torno de 600 páginas sobre o exilio de Belchior”, relata Bertoloti.

Chris revela que toda a pesquisa antes do livro ser escrito a deixou muito impactada. “A gente imaginava fazer um trabalho mais objetivo, colher dados da vida do Belchior e desvendar o motivo para ele ter se exilado. Mas ao conhecer as pessoas que ele esteve durante esse período, foi nos deixando muito emocionados. Os depoimentos nos emocionaram muito. Todos o tinham como um homem muito generoso e um homem bondoso. Mas também percebemos que nem tudo foram flores, ele também sofreu em alguns momentos”, frisa a jornalista.

Os autores concluíram que o processo de desconexão do artista com a família e a profissão foi gradual. Entre os entrevistados estavam Ângela Henman, com quem o artista foi casado por mais de 30 anos, e os filhos do casal, Camila e Mikael. Viver é melhor que sonhar – Os últimos caminhos de Belchior resgata momentos, instiga a vida e os mistérios de Belchior.

Capa do livro “Viver é melhor que sonhar”

 

Entrevista

A entrevista dos jornalistas Chris Fuscaldo e Marcelo Bortoloti, para o programa Conexão Regional da Rádio Santa Cruz, sobre a obra Viver é melhor que sonhar pode ser conferida no link abaixo.

 

Por Monique Rodrigues e Tatiana Schulz

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui