Alô, Lourdinha, tudo bem amore? Quanto tempo, santinha.

Pois é, Lourdinha, aqui vou indo e vindo em 2 e até mesmo em 3 (eu e tu e o rabo do tatu): kakkk.

Foi bom te encontrar em Brasília, amore. Tempo feliz & salutar, sabe. De lá pra cá é pandemia, coronavírus, Covid e pandemônios mil. Coisa de louco, Lourdinha: Mamma mia.

Lourdinha… só agora a Nasa revelou que passado aconteceu uma chuva de meteoros que liberou energia igual a dez bombas de Hiroshima: aquela bomba que os Estados Unidos jogaram no Japão. Ainda bem que a chuva de meteoros caiu no mar de Bering, no Sul do Oceano Pacífico, amore, caso contrário a coisa não teria sido nada pacífico por aqui nos umbrais da “Pacha Mamma” (Mãe Terra).

Falar em Nasa, ela enviou outra missão para a Estação Espacial na semana passada, amore: vi tudo na televisão. Coisa linda, sabe.

Lourdinha, ontem à noite ouvi umas músicas antigas na Rádio Santa Cruz que foi de arrombar, amore. Viagem total e saborosa.

Nos últimos dias e noites a lua estava soberana, Lourdinha. Um espetáculo, além de uma dádiva divina, exuberante & formosa se derramando por todas as canaletas & escaninhos do vasto & soberano Universo que já estão querendo privatizar também, amore.

Sim, Lourdinha, voltei ao programa Conexão Regional da Rádio Santa Cruz. Obrigado, santinha! Estou mandando brasa, amore, mesmo que haja guerra civil por aí e guerras palacianas outra vez: “Tudo outra vez”, como canta o Belchior.

Olha, Lourdinha, encontraram mais um original do livro “Cem anos de solidão” do bruxo colombiano Gabriel García Márquez: estava com um escritor mexicano que o próprio García Márquez havia doado e não lembrava mais, sabe. Original puro, amore: tudo escrito à máquina, santinha.

O poeta gaúcho Luiz de Miranda esteve no hospital, Lourdinha.

Olha, amada, o livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, do Machado de Assis foi traduzido nos Estados Unidos e a edição se esgotou em uma semana, sabe. Sim, já li, no século passado, amore.

Olha Lourdinha, já faz 10 anos do tsunami do Japão, amore. Ainda bem: quero esquecer tudo aquilo. Agora, quem nos atormenta é o “trem” do vírus vindo da China. Ave César.

Lourdinha, saiu uma enquete informando as 25 melhores praias do mundo e a primeira e as décima segunda, ou seja, duas delas, são brasileiras. Que beleza, amada. Uma em Fernando de Noronha e outra no Rio de Janeiro. A carioca eu conheço, estivemos lá, sabe.

Lourdinha, o irmão do Roberto Carlos morreu, mas não foi de Covid, o Lauro Braga tinha 89 anos e teve um AVC, sabe.

Ok… mandarei mais notícias do mundo de cá, minha santa: um beijo e um queijo, Lourdinha minha.

Dogival Duarte, escritor, jornalista e radialista

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui