Com a chegada da pandemia, diversos empresários foram forçados a fechar suas portas e parar com as atividades, por tempo indeterminado. O setor de eventos, por exemplo, foi um dos primeiros a parar e provavelmente será um dos últimos a voltar. Representantes deste ramo, realizaram na manhã desta terça-feira, 13, um protesto em frente à Câmara de Vereadores em Santa Cruz do Sul.

Há mais de seis meses, sem poder trabalhar, os empresários buscam uma flexibilização para a retomada das atividades. Segundo Kátia Letícia Hermes, proprietária da Garçonaria Serviços e uma das organizadoras da manifestação, eles têm buscado alternativas com a Prefeitura, mas que não surtiu nenhum efeito. Inclusive que donos de casas de festas, tentaram diminuir o valor de seus aluguéis, mas que os locadores, não aceitaram a proposta. E que mesmo com todos os transtornos deste período, eles precisaram continuar pagando alugueis e equipamentos, mesmo sem poder utilizar.

“Nós do setor de eventos, estamos pedindo clemência! Estamos em uma situação deliciada, dependendo somente da flexibilização do setor através do poder público, para que nós tenhamos retomada nossa dignidade e direito de trabalhar. Obviamente que com todos os cuidados necessários”, pondera Kátia.

De acordo com Kátia, há diversas aglomerações pela cidade e que o setor de eventos vêm sendo prejudicado cada dia mais. “Voltamos agora de um feriadão, onde shoppings, praias, praças comportaram um enorme número de pessoas aglomeradas. Isso não teve distanciamento social nenhum. Em capitais, há inaugurações de lojas e aqui em Santa Cruz a gente vê que depende única e exclusivamente do poder público e nós podemos aos governantes que nos ajudem. Nós geramos milhares de empregos, fazemos parte de uma engrenagem da economia muito importante”.

O grupo fez um levantamento e cerca de 400 pessoas que trabalham direto ou indiretamente com eventos foram afetadas em Santa Cruz e mais de 300 empresas que
englobam a área estão paradas. Na manifestação hoje, havia cerca de 60 empresários do setor.

Segundo Kátia, há sim, como os eventos voltarem, desde que sejam respeitadas as regras impostas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e que o planejamento já foi traçado. “Nós tivemos, por exemplo, treinamento em Porto Alegre, onde o Governo do Estado, juntamente com entidades do setor de eventos, realizaram um evento modelo. Onde foi sim possível flexibilizar esse tipo de atividade”

E ela ainda faz um apelo: “Então nós pedimos, por favor que flexibilizem, que nos permitam pagar nossas contas e sustentar nossos filhos.

Ao final da manifestação, os empresários foram convidados pelo Presidente da Câmara de Vereadores, Elstor Desbessel, convidou o grupro para entrar e conversar com vereadores que estavam presentes, ao final da sessão. Logo após o grupo foi até a Prefeitura e foram atendidos pelo secretário municipal de Administração e Transparência, Eduardo Wisniewski. Na conversa, chegaram a um acordo e amanhã, 14, sairá um novo decreto, flexibilizando atuação dos mesmos.

Foto: Assessoria da Câmara de Vereadores
Foto: Divulgação

Por Monique Rodrigues 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui