Foto: Divulgação

O projeto “O Rio Pardinho começa aqui”, que foi lançado dia 26 de outubro, chegou a novos pontos de Santa Cruz do Sul. Mais uma etapa da iniciativa com a pintura de bueiros em frente a escolas e paradas de ônibus do município começou a ser realizada. Cerca de 50 pontos devem ser identificados com a mensagem que visa alertar a população quanto os riscos de se jogar lixo nos bueiros e/ou bocas de lobo, que acaba causando problemas como entupimento das tubulações e ainda poluindo o Rio Pardinho, responsável pelo abastecimento de Santa Cruz do Sul. O projeto é uma parceria da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Comitê Pardo, Sicredi e Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Sul, com recursos financeiros oriundos do Edital do Fundo Social Sicredi Vale do Rio Pardo 2021.

A inspiração para o projeto, explica a bióloga e coordenadora do projeto Verushka Goldschmidt Xavier de Oliveira, do Núcleo de Gestão Pública da Unisc, surgiu após os episódios de alagamentos na área urbana do município com as chuvas de 28 de janeiro e 12 de fevereiro deste ano. O objetivo do projeto é tentar amenizar situações de alagamento e inundações na área urbana do município e tornar o cidadão protagonista do processo à medida em que alerta para os riscos de atos simples do dia a dia, como não colocar o lixo ou resíduos nos locais adequados.

Segundo Verushka, a educação ambiental é uma ferramenta indispensável para assegurar um ambiente sustentável. Para isso, é preciso lembrar que só se preserva aquilo que se conhece. “É importante conhecer o caminho que os resíduos sólidos descartados de maneira incorreta percorrem até chegarem ao rio. Ao estabelecer conexões entre o ato e efeito de descartar resíduo em local inadequado, espera-se que o cidadão possa contribuir para o processo”, afirma.

A partir da pintura em frente às escolas, os professores são convidados a trabalharem atividades de educação ambiental relacionadas ao tema. Uma palestra para 25 alunos do 1º ano do ensino médio da escola Educar-se foi promovida no dia 4 de novembro, na qual eles foram apresentados à iniciativa pela coordenadora do projeto, além de receberem informações sobre o Comitê Pardo levadas pela presidente do Comitê, Valéria Borges Vaz.

O projeto

Até o momento nove escolas municipais (seis EMEIs: Paraíso Infantil, Criança Feliz, Pequeninos do Faxinal, Santuário, Pingo de Gente e Bem Me Quer e três EMEFs: Luiz Schroeder, Bom Jesus e José Ferrugem), quatro escolas estaduais (Ernesto Alves, Willy Carlos Frohlich, Nossa Senhora do Rosário e Petituba) e uma escola particular (Educar-se) foram contempladas com a arte completa dos bueiros e bocas de lobo (pintura da moldura e frase). A coordenadora do projeto explica que nem todas as escolas poderão ser contempladas, pois não possuem bueiro e/ou boca de lobo próximos. A expectativa é que até o final do ano as escolas da área urbana e algumas paradas de ônibus das áreas centrais do município possam estar com as pinturas finalizadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui