Foto: Jefferson Botega / Agência RBS

Começou às 7h deste sábado, 28, o velório do jornalista David Coimbra, que faleceu vítima de um câncer, aos 60 anos, nesta sexta-feira, 27. A despedida ocorre até as 13h, na Capela Ecumênica do Crematório Metropolitano, na Avenida Professor Oscar Pereira, 584, bairro Azenha, em Porto Alegre. O sepultamento será fechado para familiares e amigos mais próximos. Os dois irmãos do jornalista, Regis e Silvia, chegaram à capela antes das 7h, horário em que os portões foram liberados para os admiradores do cronista.

 agente de viagens Mário César Carvalho, de 60 anos, foi o primeiro fã de David a chegar ao velório, às 7h15. Morador do bairro Teresópolis, diz já ter perdido as contas de há quantos anos acompanha as crônicas do comunicador. Lembrou da semelhança com um amigo, que também era gremista – assim como David -, e que o “enganou” por muito tempo.

— Eu debatia com meu amigo, fazia aquela chacota saudável no Grêmio, e ele concordava. Depois de 12 anos descobri que ele era gremista. E ontem quando a Andressa Xavier comunicou o falecimento e disse que ele era gremista eu tive a mesma reação de espanto – afirma.

Ambos não se conheciam pessoalmente, mas a proximidade pregava a mesma peça no agente de viagens.

— Certeza que Deus já pegou o David pra ele, que não é bobo – se despede.

Nove anos de luta contra o câncer

Nascido em Porto Alegre, com 60 anos recém-completados, o jornalista do Grupo RBS começou a enfrentar problemas de saúde em 2013, ao ser diagnosticado com um tumor em estágio avançado no rim esquerdo. Após sentir dores no peito, descobriu ainda que a doença já havia se espalhado silenciosamente por meio de metástases ósseas para outras três partes do corpo.

Depois de uma cirurgia para extirpar o órgão e de tentar tratamentos que não surtiram o efeito desejado no Brasil, rumou para os Estados Unidos com o objetivo de dar sequência à luta contra a doença.

No exílio temporário, desde Boston, seguiu escrevendo textos para o jornal Zero Hora e GZH e participando de programas na Rádio Gaúcha, como o então recém-lançado Timeline, sem jamais abandonar o estilo ao mesmo tempo leve e contundente.

De volta ao Brasil em 2020, nos últimos meses David vinha sofrendo novamente com problemas de saúde e precisou fazer interrupções em seu trabalho nos veículos do Grupo RBS. Quando pôde retomar seus afazeres, com o talento e a leveza de sempre, transformou a rotina de dor e mal-estar na crônica Quando Quis Morrer, publicada em 16 de maio.

Fonte: GZH

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui