Foto: Divulgação

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) destacou, durante entrevista coletiva nesta quarta, 03, que, pela oitava semana consecutiva, o número de casos da Covid-19 diminui nas Américas. Diretor assistente da entidade, Jarbas Barbosa informou que foram registrados na última semana mais de 745 mil casos e pouco mais de 18 mil mortes na região.

Barbosa disse que os números têm melhorado em geral na região, inclusive em boa parte da América do Sul. Na América do Norte, Estados Unidos, Canadá e México também registram recuo nos casos da Covid-19. Nos EUA e no Canadá, a Opas destacou ainda uma “queda notável” nas hospitalizações pelo vírus.

Apesar da melhora, a Opas insistiu que é necessário seguir vigilante sobre a emergência de saúde. “O progresso em nossa região não é motivo para se tornar complacente ou acabar com medidas de saúde pública que nos ajudam a ficar seguros”, afirmou Barbosa.

Prioridades para dose de reforço

A Opas disse também que apenas dois grupos de pessoas são recomendados para receber uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19. Com base nas evidências coletadas pelo grupo de especialistas do SAGE, comitê que assessora a OMS de forma independente, a Organização Pan-Americana da Saúde não aconselha a administração de uma dose adicional de forma generalizada.

Pessoas imunossuprimidas devem recebê-lo, independentemente da vacina que receberam. Isso inclui pacientes com câncer, pessoas HIV positivas, aqueles que tomam certos medicamentos, como corticosteróides, e receptores de transplantes. Pessoas com mais de 60 anos de idade que receberam uma vacina de vírus inativo, como as chinesas Sinovac ou Sinopharm, também devem receber uma dose de reforço.

“Essas pessoas precisam de uma dose adicional para se protegerem de uma doença grave e do risco de morrer por Covid-19, e sua vacinação não pode ser considerada completa até que recebam a terceira injeção”, disse Jarbas Barbosa. “Ainda não há evidências suficientes para recomendar vacinas de reforço para outros grupos que estão totalmente imunizados, especialmente quando a disponibilidade da vacina é limitada e muitos em nossa região ainda não receberam sua primeira injeção”, acrescentou.

Barbosa pediu para priorizar as doses da vacina anticovid na América Latina e no Caribe, onde a imunização avança, mas há defasagens em vários países e o acesso continua desigual. “Quando a disponibilidade de vacinas é baixa, é melhor proteger primeiro os mais vulneráveis”, lembrou.

Isso significa não atingir todos os níveis da população antes que uma alta porcentagem de grupos vulneráveis esteja totalmente imunizada.

“A Opas insta os países a priorizarem os idosos, os trabalhadores da linha de frente e as pessoas com doenças pré-existentes, para protegê-los, mas também para evitar que os sistemas de saúde fiquem sobrecarregados com casos graves”, disse Barbosa.

Uma vez que os mais vulneráveis estejam protegidos, a maior porcentagem possível da população adulta deve ser imunizada e “só depois” deve-se considerar vacinar os mais jovens, segundo a Opas.

Barbosa lembrou que não há evidências, no momento, de que a vacinação de crianças e adolescentes seja um pré-requisito para a reabertura de escolas. “Esta abordagem em fases estabelece a melhor base para os países reduzirem a circulação do vírus”, disse.

Fonte: Correio do Povo

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui