Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

A resistência de setores do Senado ao nome de André Mendonça para o STF (Supremo Tribunal Federal) fez com que o presidente Jair Bolsonaro sinalizasse nos últimos dias, inclusive para os demais cotados à vaga, que pode mudar o rumo da indicação.

O gesto acendeu um sinal amarelo entre evangélicos, que reagiram hoje em reunião com o presidente e com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Cobrado por pastores e parlamentares da frente evangélica, Bolsonaro teria repetido, inclusive diante de Mendonça, a promessa de que manterá sua indicação a qualquer custo.

Pacheco, por sua vez, deu indicação de que pode mediar um acordo com o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) para que a oitiva de Mendonça seja marcada. Pessoas próximas ao presidente do Senado disseram que, na reunião com líderes evangélicos nesta quarta-feira, 15, ele se comprometeu a trabalhar para que a sabatina de Mendonça seja realizada o quanto antes.

De acordo com relatos, Pacheco afirmou aos religiosos que o Senado “não pode seguir com esse constrangimento” e que tem que cumprir seu papel constitucional de analisar um nome indicado pelo presidente da República.

Participaram do encontro nomes como o pastor Silas Malafaia (Vitória em Cristo), o bispo Abner Ferreira (Ministério Madureira) e o apóstolo Estevam Hernandes. Os senadores Vanderlan Cardoso (PSD-GO) e Carlos Viana (PSD-MG), além do deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), também estiveram presentes.

A resistência de Davi Alcolumbre (DEM-AP) em pautar a data da sabatina tem respaldo do Palácio do Planalto. Senadores e deputados disseram, em caráter reservado, que o presidente Jair Bolsonaro estaria por trás do movimento.

Diante desse cenário, parte do Senado decidiu pressionar não só Alcolumbre, mas também Pacheco. Senadores passaram a articular nos bastidores um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal para a CCJ  marque a sabatina. O movimento foi abortado por enquanto, sob a justificativa de trazer mais problemas ao caminho de Mendonça.

A reação dos evangélicos teria freado as articulações por uma troca. Até então, segundo pessoas que acompanham a movimentação, Bolsonaro vinha acenando com a possibilidade de uma troca, recado passado inclusive a um dos atores que aparecem como opção para a vaga, o atual procurador-Geral da República, Augusto Aras.

Segundo os relatos de integrantes do Parlamento e do Planalto, Bolsonaro teria se convencido de que a resistência a Mendonça é praticamente intransponível e, por isso, passou a considerar trocar a indicação.

O nome de André Mendonça foi uma escolha pessoal do presidente. Trata-se de um quadro com relativo trânsito no Supremo que atenderia a dois requisitos fundamentais para Bolsonaro: tem a confiança pessoal do presidente e vínculos fortes com os evangélicos, um dos pilares do eleitorado bolsonarista.

Fonte: O Sul

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui