Foto: Reprodução

A próxima quarta-feira, 18 de maio, é Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, e a Prefeitura de Santa Cruz do Sul, por intermédio da Secretaria Municipal de Habitação, Desenvolvimento Social e Esporte (Sehase), preparou atividades para trazer o assunto à tona e promover discussões na comunidade. Em alusão ao próprio slogan do município, foi escolhido para dar ênfase ao tema o lema Proteger nossas crianças e adolescentes aqui é bom demais.

Nos dias que antecedem a data serão realizadas ações de divulgação, como colocação de banners nos coletivos urbanos, divulgação da programação junto aos veículos de imprensa, entrega de material informativo à população em locais públicos, entre outras.

Na manhã de quarta-feira, 18, na altura do Quiosque da Praça, na Rua Marechal Floriano, haverá distribuição de material informativo para comerciários e para quem estiver circulando pelo centro. Neste mesmo dia acontece o ponto alto da programação, com um seminário, a partir das 13h30, no Memorial da Unisc.

A abertura do evento terá participação da Associação Projeto Educacional para Crianças e Adolescentes (Aesca) com uma apresentação cultural e, na sequência, palestras com representantes da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Conselho Tutelar, Ministério Público e Juizado da Infância e da Juventude.

De acordo com a diretora de Desenvolvimento Social da Sehase, Priscila Froemming, que será a mediadora do debate, após a pandemia, com o retorno das escolas ao presencial, ficaram mais evidentes os casos de abuso, exploração e maus tratos de crianças e adolescentes. “A rede precisa estar preparada para identificar essas situações, por isso a importância desse debate. Queremos conscientizar, principalmente, as agentes comunitárias, enfermeira dos postos de saúde e atendentes de Emeis, ou seja, os agentes públicos, para que consigam perceber casos de violação de direitos e dar a eles o encaminhamento correto”, explicou.

Segundo dados fornecidos pela Creas, em 2030 estiveram em acompanhamento no órgão 30 casos, em 2021 foram 35 e até o dia 11 de abril deste ano já há 40 casos sendo acompanhados. Os encaminhamentos foram feitos em sua maioria pelo Conselho Tutelar e os casos ocorreram dentro do contexto familiar. O Creas é um serviço de acompanhamento e suporte, enquanto as denúncias são feitas para a Delegacia de Polícia, Conselho Tutelar e Ministério Público.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor preencher seu nome aqui